A constituição do homem (tricotomismo x dicotomismo x monismo)

10,out,2011 por Georges Nogueira

um, dois, ou três?

Está em curso no meio cristão um vívido e interessante debate acerca da constituição do homem. Existem três correntes de pensamento dominantes a respeito desse tema, conforme exposto no título deste artigo:

Monismo ou unitarianismo:

O termo monismo (derivado do grego ?????, monis), que significa literalmente doutrina da unidade, só foi cunhado no século XVIII pelo pensador alemão Christian Wolff e, posteriormente, este termo foi difundido e vulgarizado por Ernst Haeckel e Wilhelm Ostwald.

Filosoficamente, o monismo é a teoria que toma como base de todo ser uma única substância ou uma única espécie de substância. Opõe-se ao dualismo e ao pluralismo, pois reduz as relações a um princípio fundamental, único ou unitário, que tudo explica e contém. O monismo também não deixa de ser uma forma de panteísmo encontrada na filosofia hindu e no pensamento chinês, que defendem que Deus e a natureza dissolvem-se em uma única realidade impessoal.

Como não poderia deixar de ser, tal pensamento manifestamente antibíblico serve como base de sustentação a uma infinidade de heresias e cultos de seitas pagãs, que se utilizam do conceito de monismo para explicar a crença de que tudo o que há foi criado a partir de uma única divindade, compartilhando de sua natureza, essência e energia.

Neste sentido, podemos citar como exemplo o hinduísmo e a seita Wicca, que cultua a figura de uma Deusa Mãe como entidade cósmica primordial. A crença Wicca se baseia no fato de que, na natureza, os únicos seres capazes de gerar vida, de criar, são as fêmeas.

Outro exemplo de seita antibíblica que defende o monismo é o da seita dos adventistas do sétimo dia, que, muito embora se aleguem cristãos, pregam e defendem heresias como a mortalidade da alma, o monismo e mesmo o unitarianismo de Deus, que não seria um ser uno composto das três pessoas da trindade, mas um ser único em uma única pessoa.

Quanto à constituição do homem, o monismo defende que o home é um só todo, uma só parte, não havendo qualquer divisão em sua constituição, nem existindo alma ou espírito ou qualquer parte do homem que resista à morte de seu corpo. Sendo uma unidade indivisível, o homem, ao experimentar a morte física, morreria também espiritualmente para os monistas. Alguns ideólogos monistas afirmam que as expressões “alma” e “espírito” se referem psicofísica do ser humano. Afirmam ainda que as palavras utilizadas para “carne” (basar no hebraico do AT e sarx no grego do NT) e para “corpo” (soma no grego) referem-se ao ser humano por inteiro porque nos tempos bíblicos ele era considerado unificado.

Dicotomismo:

Esta é uma teoria que ensina que só há dois elementos, ou partes constitutivas do homem: a parte material e a imaterial. Seus defensores insistem que não há diferença entre alma e espírito, e que as duas palavras são utilizadas alternativamente com o mesmo sentido, ou seja, são termos sinônimos e que não poderiam ter significado oposto. Para o dicotomista, o homem é composto de duas partes e ponto final. Conheço muitos cristãos sinceros e operosos que creem nesta hipótese, e a tomam como verdade bíblica.

Tricotomismo:

A doutrina tricotomista, que honra e se harmoniza com o conteúdo das Escrituras, compreende que o homem é formado por três partes distintas: corpo, alma e espírito. Como o propósito deste artigo é tão somente o de abordar o problema e apontar minha posição quanto a ele, não vou me aprofundar na exposição da doutrina tricotomista, reservando tal exposição para o próximo artigo, que postarei nos próximos dias, se Deus assim o permitir.

2 Comentários para " A constituição do homem (tricotomismo x dicotomismo x monismo) "

  1. MISSIONARIO EUDES disse:

    ola muito bom seus estudos se vc puder manda alguns estudos de teologia eu agradeço que o senhor continueti abençoando ok um abraso


Deixe um comentário

Para garantir a publicação de seu comentário, respeite nossa política de uso que você pode conhecer clicando aqui.

Antes de nos dizer que não podemos julgar, clique aqui e descubra que não só podemos como devemos.

XHTML: Você pode usar as seguintes tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>