Ainda o império…

13,nov,2009 por Georges Nogueira
O Inquisidor decifra os escritos apócrifos

O Inquisidor decifra os escritos apócrifos

Todos os que acompanham este blog há algum tempo, ou mesmo que leram alguns artigos que aqui causaram polêmica, sabem que tenho um compromisso de sempre publicar todos os comentários por mais impertinentes que sejam. Não acredito em censura, e o motivo disso é saber que o que aqui escrevo está respaldado pela Verdade contida nos Evangelhos.

Não permitirei, contudo, que esta disposição para a honestidade e a transparência sejam utilizadas por pessoas levianas, que dela tentam fazer uso se utilizando de palavreado chulo e buscando através deste espaço chamar alguma atenção para si.

Recebi, a propósito do post o império contra-ataca, meia dúzia de comentários, dos quais um impublicável, por parte do autor das imprecações que motivaram a publicação do referido post.

Com relação à pessoa do Sr. Henrique, sua forma raivosa de se portar, sua insistência em me acusar de ignorância (catorze vezes no último comentário), mesmo quando ao que me acusa de ignorância ele escreve “quisito” e “sussessor” em seu comentário, sua argumentação eivada de distorções da Palavra e devaneios, sequer seriam dignas de nota.

Há interlocutores católicos com os quais se pode dialogar (sem comunhão alguma, isto claro para todos) posto que realmente crêem naquilo que defendem, e o defendem com lealdade e respeito. Infelizmente, esta não é a postura adotada pelo Sr. em questão, que a toda custa, pervertendo o Evangelho, lançando mão de calúnias e falseamentos, tenta meramente prevalecer, não se importando com a Verdade.

Não poderia eu esperar mesmo outra coisa de um funcionário público que, a expensas do dinheiro público que recebe como ordenado, ao invés de se ocupar em exercer sua função, passa as tardes se utilizando dos computadores e da conexão de internet da Secretaria de Segurança Pública e Justiça do Estado de Goiás para finalidades absolutamente estranhas à sua função, como chafurdar em sites maledicentes à procura de heresias e outras abominações que atentam não somente contra a Palavra de Deus, mas também contra a inteligência dos que as lêem (exceção feita, obviamente, ao comentarista em questão).

Ora, de um sujeito que se utiliza da coisa pública como se a ele pertencesse, atendendo a seus funestos interesses pessoais, em contraposição aos princípios da administração pública que deveria por força de lei cumprir e guardar, prática esta que configura o mesmo crime da má versação de verbas públicas, não se pode emesmo esperar nada melhor.

E todo esse comportamento condenável mantém para causar a confusão que é tão estranha à paz proporcionada pela vivência do Evangelho. Desta forma, o seu comportamento por si só demonstra sua natureza, seu caráter e sua moral decadente.

Antes de se arrogar no direito de despenseiro das Verdades Divinas, Sr, acusador, é necessário que se converta ao Cristo. E essa conversão se observa no comportamento ético e na moral elevadas que devemos por obrigação demonstrar no nosso dia a dia. Muito embora eu não vá publicar mais seus infelizes comentários, não deixarei de apagar o incêndio causado por este anti-ético bombeiro.

2 Comentários para " Ainda o império… "

  1. Pedro Paulo disse:

    A unica coisa que une as igrejas evangélicas é a visão sobre Deus entre as milhares de denominações. Somente o catolicismo é uma bola de ferro amarrada no pé da Igreja, que atrasa o Reino de Deus, ao mesmo tempo Deus usa de sua misericórdia.
    Algum de vocês negaria o dogma da Santíssima Trindade?
    A Paz de Cristo!

    • Caro Pedro Paulo:
      Seu texto está meio confuso. Não entendi onde você quis chegar com o seu questionamento acerca da trindade.
      Mas pode fazer uso dos posts deste blog, que com toda a certeza você terá suas dúvidas sanadas. Precisando de um apoio extra, é só pedir que estamos à disposição.

      Em Cristo Jesus,
      Georges Nogueira.


Deixe um comentário

Para garantir a publicação de seu comentário, respeite nossa política de uso que você pode conhecer clicando aqui.

Antes de nos dizer que não podemos julgar, clique aqui e descubra que não só podemos como devemos.

XHTML: Você pode usar as seguintes tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>