Sobre Ronaldo Bezerra

Rev. Ronaldo Bezerra de Oliveira e Souza é ministro da Igreja Presbiteriana do Brasil (jubilado por invalidez) em Vitória – ES, e é um ferrenho defensor do Evangelho de Cristo.

biografia de Ronaldo Bezerra

Espaço reservado

Aguarde nosso Videocast

O pecado da preguiça

14,nov,2010 por Ronaldo Bezerra

preguiça

“Pois será como um homem que, ausentando-se do país, chamou os seus servos e lhes confiou os seus bens. A um deu cinco talentos, a outro, dois e a outro, um, a cada um segundo a sua própria capacidade; e, então, partiu. O que recebera cinco talentos saiu imediatamente a negociar com eles e ganhou outros cinco. Do mesmo modo, o que recebera dois ganhou outros dois. Mas o que recebera um, saindo, abriu uma cova e escondeu o dinheiro do seu senhor. Depois de muito tempo, voltou o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles. Então, aproximando-se o que recebera cinco talentos, entregou outros cinco, dizendo: Senhor, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que ganhei. Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. E, aproximando-se também o que recebera dois talentos, disse: Senhor, dois talentos me confiaste; aqui tens outros dois que ganhei. Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. Chegando, por fim, o que recebera um talento, disse: Senhor, sabendo que és homem severo, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste, receoso, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu. Respondeu-lhe, porém, o senhor: Servo mau e negligente, sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei? Cumpria, portanto, que entregasses o meu dinheiro aos banqueiros, e eu, ao voltar, receberia com juros o que é meu. Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem dez. Porque a todo o que tem se lhe dará, e terá em abundância; mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. E o servo inútil, lançai-o para fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes.” (Mt 25.14-30)

Nosso Deus é Deus do trabalho e é isto que encontramos desde as primeiras narrações Bíblicas. Ele é o manancial de toda a produtividade e o produtor original e supremo. NEle encontramos o maior exemplo do trabalho. Quando criou o homem, Deus também criou para ele o trabalho :

“Tomou, pois, o SENHOR Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar.” (Gn 2.15 )

Não havia ervas daninhas, nem espinheiro e nem suor. O resultado do trabalho de Adão e o seu realizar eram ótimos. Com a chegada do pecado, tudo mudou e cuidar do jardim tornou-se algo profundamente difícil:

“E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. Ela produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo. No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.” (Gn 3.17-19)

Encontramos aqui os elementos da maldição: espinhos, cardos, suor e morte. Encontramos aqui a tríade da dor do homem: sangue, suor e lágrimas. No entanto, podemos ver aqui que antes e depois da queda o trabalho é uma determinação divina . Deus se agrada de ver o homem trabalhando.

Geralmente definimos o ser humano como homo sapiens . No entanto, Karl Marx preferiu outro definição e chamou o homem de homo faber . Marx não estava totalmente errado, pois a própria definição do homem está ligada ao seu trabalho.

Quando encontramos uma pessoa pela primeira vez, normalmente três perguntas vêm à nossa mente: Qual é o seu nome? Onde você mora? O que você faz? O que fazemos está normalmente ligado à nossa identidade. Como fazemos e o que fazemos também. O trabalho no entanto deve ter uma propósito maior na nossa vida do que a sobrevivência. Somos chamados por Deus para sermos produtivos, somos chamados para darmos frutos, e, para que isto seja verdade em nossa vida, devemos trabalhar com dedicação.

Não trabalhar é recusar-se a participar de um dos deveres humanos mais fundamentais. A preguiça, no entantom, irmãos, é inimiga da produtividade. O preguiçoso não só prejudica a si mesmo como é um fardo para a sociedade. A preguiça tem muito a ver com a pobreza. A Bíblia nos fala em pelo menos  quatro tipos de pobreza:

  1. Pobreza como resultado da calamidade;
  2. Pobreza como resultado da opressão;
  3. Pobreza por amor ao reino de Deus;
  4. Pobreza por causa de preguiça.

“Vai ter com a formiga, ó preguiçoso, considera os seus caminhos e sê sábio. Não tendo ela chefe, nem oficial, nem comandante, no estio, prepara o seu pão, na sega, ajunta o seu mantimento. Ó preguiçoso, até quando ficarás deitado? Quando te levantarás do teu sono? Um pouco para dormir, um pouco para tosquenejar, um pouco para encruzar os braços em repouso, assim sobrevirá a tua pobreza como um ladrão, e a tua necessidade, como um homem armado.” (Pv6.6-11)

“O que trabalha com mão remissa empobrece, mas a mão dos diligentes vem a enriquecer-se. O que ajunta no verão é filho sábio, mas o que dorme na sega é filho que envergonha.” (Pv 10.4-5)

A Bíblia fala muito da preguiça:

“O preguiçoso mete a mão no prato e não quer ter o trabalho de a levar à boca.” (Pv 19.24).

“O preguiçoso morre desejando, porque as suas mãos recusam trabalhar.” (Pv 21.25).

“Diz o preguiçoso: Um leão está lá fora; serei morto no meio das ruas.” (Pv 22.13)

“Pela muita preguiça desaba o teto, e pela frouxidão das mãos goteja a casa.” (Ec 10.18)

Esta condenação de Deus ao preguiçoso não está limitada apenas ao Velho Testamento. O Senhor Jesus Cristo nos fala:

“Chegando, por fim, o que recebera um talento, disse: Senhor, sabendo que és homem severo, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste, receoso, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu. Respondeu-lhe, porém, o senhor: Servo mau e negligente, sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei?” (Mt 25.24-26)

Cumpria , portanto , que entregasses o meu dinheiro aos banqueiros, e eu, ao voltar, receberia com juros o que é meu. Mas talvez a acusação mais forte contra o preguiçoso seja a feita pelo apóstolo Paulo:

“Porque, quando ainda convosco, vos ordenamos isto: se alguém não quer trabalhar, também não coma. Pois, de fato, estamos informados de que, entre vós, há pessoas que andam desordenadamente, não trabalhando; antes, se intrometem na vida alheia.” (2Ts 3.10-11)

O que não trabalha é chamado de intrometido na vida alheia, é o fofoqueiro, o vadio. Aquele que tem tempo para ficar na janela observando e criticando os defeitos dos outros. A Bíblia no entanto, irmãos, nos afirma em Ec 5.12 que o sono do trabalhador é doce. Doce é o sono do trabalhador, quer coma pouco, quer coma muito; mas a fartura do rico não o deixa dormir. O trabalho produtivo pode ser cansativo, mas também é altamente satisfatório. Muita ansiedade, que nos impede de dormir como deveríamos, é fruto de um trabalho mal realizado.

Portanto, irmãos, precisamos aprender como trabalhar, segundo o padrão de Deus, não conforme os sindicatos que julgam o trabalho um fardo, ou como os patrões que querem escravizar seus empregados (ou colaboradores como querem chamar hoje).  Amanhã, segunda-feira, não será um dia de castigo, porque você terá de trabalhar. Amanhã é um dia para você ser produtivo, um trabalhador exemplar, dentro dos propósitos de Deus.

3 Comentários para " O pecado da preguiça "

  1. Olivar Alves Pereira disse:

    Amado Rev. Ronaldo, muito bom seu texto.
    Um dia desses aconselhei um a mãe que pusesse seu filho adolescente num serviço braçal (servente de pedreiro) durante as férias pois ele por estar ocioso em casa estava aprontando. Ela o fez. E vei me contar feliz da vida que o menino estava “entrando no eixo”.
    O trabalho é uma bênção.

    Olivar

  2. Cynthia Nogueira disse:

    Rev. Ronaldo,
    Gostei muito do seu artigo e lamento não tê-lo lido antes.
    Por vezes, me encontro neste dilema, se não estou me comportando preguiçosamente, sendo neglinte com a minha vida. São tantas as obrigações do dia a dia que me atropelo e com elas, e por não poder cumprir todas, me sinto seriamente culpada. Gostaria muito de poder ser uma mãe mais presente, uma profissional mais competente, mas uma coisa e outra sempre compentem entre si e ás vezes preciso escolher uma delas para poder beneficiar a outra.
    Como já percebi que o Sr. gosta de dirigir seus estudos para a edficação da família, gostaria de phe pedir um posicionamento, que claro, pode ser um belo post edificante: o que o Senhor pensa do papel do homem na família hoje em dia?
    Digo: vejo muitos homens de Deus que vivem dilemas em suas casas, pois suas mulheres ajudam no sustento (qdo não o fazem exclusivamente sozinhas) e estes homens acham que por ajudar nos afazeres domésticos oferecem um prêmio. Isto é conflitante? Esse papel misto é contra os planos de Deus?
    A mulher provedora é resultado de uma escolha errada de comportamento?
    Isso mina a autoridade que o homen deve ter sobre a sua família?

    Viu como são muitas as questões?

    Abraços.

  3. marli disse:

    Rev, muito obrigada por suas palvras..Hoje decidi que não mais vou cair no pecado da preguiça. Vejo minha casa desarrumada e eu sem forças para sair da cama, e de frente da televisão. O pior é que quando chega a noite eu vejo o estado de minha casa que deveria ser um lar organizado para descanso de minha família e me sinto extremamente culpada. Mas HOJE decidi e não vou voltar desprezar o dever que Deus colocou em minhas mãos. Tenho duas filhas adolescentes que estão indo pelo mesmo caminho já que o exemplo que tem em casa é o que eu dou. Serei uma ótima dona de casa. Tentarei ser o mais próximo possível da Mulher Virtuosa de que a bíblia fala. Descobri que decidir é o primeiro passo.Vou pedir força e sabedoria a Deus. Obrigada.


Deixe um comentário

Para garantir a publicação de seu comentário, respeite nossa política de uso que você pode conhecer clicando aqui.

Antes de nos dizer que não podemos julgar, clique aqui e descubra que não só podemos como devemos.

XHTML: Você pode usar as seguintes tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>